terça-feira, 13 de março de 2012

DÁ-ME UMA GOTA DE TI




Dá-me uma gota de ti.

Dá-me uma gota de ti
Uma palavra que seja
Despida de todos os sinais
Vestida de outro lugar
Onde habitem vendavais
E gaivotas a cantar

Dá-me uma flor desfolhada
Com seiva de água na boca
E lonjuras de moinhos
Como alquimias de vento
A rasgar céus em pedaços
Como estilhaços do tempo

Dá-me um chá preto das cinco
E o Bolero de Ravel
Com a malta sussurrada
Entre beijos no meu peito
Lábios carnudos que eu sinto
E o sabor da tua pele

Dá-me um trago de ti mesma
Em copo de oiro e cristal
Para que escondidos na noite
Celebremos o teu corpo
Com excessos soletrados
Num desrespeito total

Num desrespeito total

Pedro Barroso


POSTADO POR JOSÉ RIBEIRO NO SITE BRASIL-LUSITANOS


www.brasil-lusitanos.ning.com