quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Ouvir Estrelas







Ouvir Estrelas
Olavo Bilac

Ora (direis) ouvir estrelas! 
Certo, perdeste o senso!
 E eu vos direi, no entanto 
Que,
 para ouví-las, muitas vezes desperto
 E abro as janelas, pálido de espanto 
 E conversamos toda a noite,
 enquanto a Via-Láctea,
 como um pálio aberto, 
Cintila.
 E, ao vir do sol,
 saudoso e em pranto,
 Inda as procuro pelo céu deserto. 
 Direis agora:
 "Tresloucado amigo! 
Que conversas com elas?
 Que sentido tem o que dizem, 
quando estão contigo?
 " E eu vos direi:
 "Amai para entendê-las! 
Pois só quem ama pode ter ouvido
 Capaz de ouvir e
entender as estrelas.



O Amor




O Amor

O AMOR, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...
Fernando Pessoa



Não me analise!!!







Por favor, não me analise
Não fique procurando
cada ponto fraco meu


Se ninguém resiste a uma análise
profunda, quanto mais eu!
Ciumenta, exigente, insegura, carente
toda cheia de marcas que a vida deixou:
Veja em cada exigência
um grito de carência,
um pedido de amor!

Amor, amor é síntese,
uma integração de dados:
não há que tirar nem pôr.
Não me corte em fatias,
(ninguém abraça um pedaço),
me envolva todo em seus braços
E eu serei perfeita, amor!

Mirthes Mathias