segunda-feira, 5 de agosto de 2013

VALE A PENA





VALE A PENA

Abro-me ao novo tempo.

Não me importo se ele trás

lágrimas ou tormentos,

pois se não há vida bela,

belos são os momentos

que hei de levar

da estações dos amores,

que floresceram em primaveras

ainda que em outonais cores,

mas sempre a desfolharem alento.

Vale a pena o instante

onde cabe tanto

em tão pouco espaço,

quem sabe, o de um quarto.

Valem as chegadas

apesar das tristes partidas.

Valem os amores

que como o perfume de flores

de algum modo pousam guirlandas

onde antes haviam dissabores.

Tudo o mar devolve

e um dia o amor maior volve

nas areia brancas da esperança

e, por isso mesmo,

vale a pena ousar

como criança

e se consumir em querer.

Se assim não for,

melhor morrer,

porque mortos já estão

os que em solidão

vivem em resguardos vãos

temendo demais

o que vale a pena viver.

(by: Maria Lucia Victor)