quarta-feira, 7 de agosto de 2013

SIMPLESMENTE TE AMO





SIMPLESMENTE TE AMO



Angelo Sansivieri


Estou loucamente perdido de paixão por você,
já não agüento mais ficar, só nas entrelinhas,
quero você em todos os seus momentos,
em seus movimentos dentro da noite,
sentir aquele beijo,
gostar da sua boca, amar teus seios.

Já, não mais suporto ficar longe deste teu
corpo que emana o veneno que necessito,
delirar na sua respiração,
dar - lhe, o toque, final.
Entrelaçar - me, em suas entranhas,
com tamanho desejo, estoca - lá,
com carinho dentro do rito sensual,
entre dois corpos,
deslizar em sua pele, com minha mão,
tatear teu corpo com olhos fechados,
e gravar em minha mente o contorno
do seu doce corpo.



A música ao fundo, aumenta o calor
e o vinho, faz meu sangue acelerar
os vasos sanguíneos, enrijecendo o meu sexo.
Tenho passado noites e noites, em busca
de uma força, que alivie o meu sofrimento,
de estar tão longe assim de você,
de ficar imaginando como seria a nossa
sintonia no palco, a cama.

Meus sonhos são reais, a cada sonho,
eu acordo todo molhado,
e me dou conta que gozamos juntos,
pois o seu perfume
é permanente em minha mente,
ele exala por todo o meu corpo,
aumentando ainda mais a paixão,
que sinto por você.



Eu te quero, eu te desejo,
será que dá prá você perceber,
que já esta na hora de se
deixar envolver por meus carinhos,
e abraçar esta relação de amor,
tesão e paixão,

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

VALE A PENA





VALE A PENA

Abro-me ao novo tempo.

Não me importo se ele trás

lágrimas ou tormentos,

pois se não há vida bela,

belos são os momentos

que hei de levar

da estações dos amores,

que floresceram em primaveras

ainda que em outonais cores,

mas sempre a desfolharem alento.

Vale a pena o instante

onde cabe tanto

em tão pouco espaço,

quem sabe, o de um quarto.

Valem as chegadas

apesar das tristes partidas.

Valem os amores

que como o perfume de flores

de algum modo pousam guirlandas

onde antes haviam dissabores.

Tudo o mar devolve

e um dia o amor maior volve

nas areia brancas da esperança

e, por isso mesmo,

vale a pena ousar

como criança

e se consumir em querer.

Se assim não for,

melhor morrer,

porque mortos já estão

os que em solidão

vivem em resguardos vãos

temendo demais

o que vale a pena viver.

(by: Maria Lucia Victor)