segunda-feira, 19 de março de 2012

FRAGMENTADA


Fragmentada
Sou toda de sentimentos, retalhada.
De uma sensibilidade doída! Doida.
Assimetria reunida em totalidade.
Parcela de identidade num cosmo de vida!

Sou o desequilíbrio andante.
Uma plenitude desigual!
Sou equiparável lua em céu escuro...
De definidas fases... de magia irregular!

Sou matriz e filial.
Um tudo-nada que nada é!
Sou partícula de uma perfeita imperfeição.
Um alguém à procura de si!

Sou uma dose de amor
que se oferece ao tempo presente.
Sou um punhado de complexidade incoerente!

Sou porção de nada
que se transforma em tudo
para o Divino Rei da Criação!

DESCONHEÇO AUTORIA